Archive for the ‘jornalismo’ Category

Conversas na PUC

Tag na ordem do dia, #WikiLeaks entrou na discussão sobre jornalismo na quarta, 8, em minha banca de qualificação do doutorado, na PUC da Maestro Cardim. Lá pelas tantas, Cícero Silva comentou a divertidíssima charge publicada na Folha de S.Paulo sobre a base de dados (puros) de Julian Assange. 


Vale a pena reproduzir aqui. É sensacional.






Interface baseada em dados

"É a estrutura, imbecil"

Parafreaseando James Carville, marqueteiro de Bill Clinton, na campanha de 1992, sobre o que é fundamental em eleição e política [“It’s the economy, stupid!”], o artigo Écrire pour le web: c’est la structure, imbécile!, da owni.fr Digital Journalism, discute a estrutura do texto na web. 


Tendo como aporte ideias estruturalistas, ainda que recheadas de links e com bibliografia antiga, o texto aborda questões pertinentes do jornalismo. 


Obviamente não é possível reverter a pirâmide invertida. Mas falta ir a fundo em algo que passa ao largo de discussões como essa: o input de dados. 


O input é feito no espaço de fluxo informacional onde necessariamente a interface não é moldada a partir da pirâmide invertida. Prova disso é a dinâmica de redes sociais como o Twitter, por exemplo, ou a série de testes que vem sendo feito pela Google.


Trata-se, portanto, de ter em mente que a rede coloca a notícia em uma nova perspectiva, explicada pela noção de revezamento de Gilles Deleuze, na série Mil Platôs. Em linhas gerais, a construção é, ao mesmo tempo. estrutural e não estrutural, compõe e se decompõe. 



http://d1.scribdassets.com/ScribdViewer.swf?document_id=40287841&access_key=key-277c7a0hpvblruxe3013&page=1&viewMode=list

Twitter para periodistas latinoamericanos


http://d1.scribdassets.com/ScribdViewer.swf?document_id=35383001&access_key=key-1u9i60lvf8faxn7dqxoe&page=1&viewMode=list

O conselho de Jay Rosen a jornalistas

http://d1.scribdassets.com/ScribdViewer.swf?document_id=37222644&access_key=key-2nai6wq77y49y2oc68jd&page=1&viewMode=list

Base de dados marca transformações no jornalismo

Conhecido pela qualidade das linhas de tempo sobre mídias digitais e analógicas, o Poynter Institute publicou na rede uma cronologia com os 200 momentos que transformaram o jornalismo, elaborada por David Shedden, diretor da Poynter’s Eugene Patterson Library.


O quadro interativo está dividido em quatro áreas negócios (verde), tecnologia (rosa), notícias (azul) e mídia social (laranja). 


Para saber o que marcou o jornalismo entre 2000 e 2009, basta passar o mouse em cima de uma das linhas coloridas. Rapidamente, descobre-se, por exemplo, que o Twitter foi fundado em março de 2006 e a versão beta do Google News entrou no ao ar em 2002.


                                                                                                                                               

Jornalismo baseado em tags